História

 

HISTÓRICO – DE ITINGA DA SERRA A ANTÔNIO GONÇALVES

Itinga: palavra de origem indígena que significa água branca ou rio branco.

Antonio Gonçalves: nome dado em homenagem a um médico baiano, nascido em 22 de novembro de 1877 na Fazenda Piabas, município de Campo Formoso, notável por sua atuação política e assistencial em toda região. Foi intendente municipal, vereador e presidente do Câmara Municipal, em Senhor do Bonfim. Morreu em 04 de agosto de 1945.

Os registros mais antigos de Antonio Gonçalves remontam a 1910, a partir de uma fazenda de cana-de-açúcar situada às margens do rio Água Branca, propriedade de Antonio Pereira Guirra.

A região era originalmente habitada por índios Tapuia e foi desbravada por padres missionários da Ordem dos Franciscanos, a partir da fundação do “Arraial de Missão de Nossa Senhora das Neves de Saly”, em 1677. A missão,

portanto, marca a conquista do sertão baiano, a partir da busca por ouro e pedras preciosas, o doutrinamento de índios e a criação de gado.

Da fazenda denominada Água Branca, teria surgido o povoado Pau-Ferro nome de uma árvore, à beira do rio, que impressiona pela resistência de sua madeira, quase tão dura quanto o ferro! A principal atividade econômica da época stava ligada ao plantio de cana-de-açúcar para a fabricação de rapadura nos engenhos movidos a bois. Além dos engenhos, havia a criação de gado que também marcava a paisagem com seus vaqueiros, currais e muitas histórias.

Mais tarde a construção da estrada de ferro pela Leste-Brasileiro, ligando Senhor do Bonfim a Pindobaçu, alterou o crescimento de Pau-Ferro, deslocando o povoado para perto da estação ferroviária, que foi construída mais acima, em local mais plano, sendo inaugurada em 18 de março de 1916, já com o nome de Itinga.

Esse deslocamento gerou polêmicas e hostilidades entre os chefes políticos de então, representados pelos senhores Antonio Pereira Guirra (em defesa do Pau-Ferro) e Gautiel José Lopes, que liderava os movimentos de mudanças. Com a transferência da feira de Pau-Ferro para o novo local, em novembro de 1917, as hostilidades se acentuaram de parte a parte, tendo o orgulhoso Antonio Guirra demonstrado seu inconformismo até a morte, jamais pisando o solo da emergente Itinga.

Em 1954, a mesma foi elevada à categoria de Vila, denominada Itinga da Serra,

sendo assim distrito de Campo Formoso. Com a elevação a essa categoria e a

construção da estrada de ferro, o movimento dos trens pulsava forte o coração

da Vila, com o vai e vem de pessoas, mercadorias e sonhos, sendo a única forma regular de transporte ligando Itinga a Senhor do Bonfim, Campo Formoso e Pindobaçu.

Entre os anos 1960 a 1962, quando o então povoado de Itinga da Serra era administrado pelo município de Campo Formoso, a professora Araguacy Gonçalves, juntamente com outros correligionários, iniciou o movimento que culminou com seu desmembramento de Campo Formoso. Na época, ou seja, precisamente em 1962, houve uma eleição para escolha do primeiro gestor municipal. Concorreram além da profª. Araguacy Gonçalves, outros candidatos, porém a mesma foi eleita tornando-se a primeira prefeita do nosso município. Passou a existir também a Câmara de Vereadores composta por nove vereadores, os quais não eram remunerados.

Em 5 de julho 1962, ocorreu a emancipação política do município pela lei

estadual n° 1699, D.O.10.07.1962, o qual recebeu o nome de Antonio Gonçalves, em homenagem ao médico que prestou relevantes serviços à população da região.

 



Última atualização: 17/01/2019 08:48